NoIndex Link

Variações Cromáticas

0


LUZ DA NOITE. A primeira das quatro tendências da Sherwin-Williams traz cores escuras, oferecendo um refúgio ao excesso de informação visual que compõe a cena urbana, ofuscando, com seus letreiros luminosos, o brilho misterioso da noite. Inspirada pela austeridade barroca, a paleta rica em vinhos aconchegantes, azuis nórdicos, neutros clássicos e amarelos preciosos inunda os espaços, trazendo um toque de dramatismo e um brilho sensual aos ambientes, numa nostalgia comovente.


INTROSPECÇÃO. Os tons mais intensos e frios, aliados aos neutros atemporais, dão vida a diferentes composições, que nos levam à reflexão.  AZUL PROFUNDO. Mais fechado do que o Klein, essa cor é noturna e enigmática, sendo uma ótima alternativa para substituir o preto sem abrir mão da elegância.


SIMPLICIDADE ESSENCIAL. O luxo, ressignificado sob a ótica da sustentabilidade, foi o ponto de partida para os 10 tons que compõem esta paleta simples e adaptável, dominada por neutros gelados, rosas nobres e marrons selvagens. Estampas botânicas e matérias-primas como o couro também são bem-vindas para exaltar o desejo de estar junto à natureza, traduzindo um novo cenário, em que o consumo desenfreado cede espaço por uma busca constante de novas experiências.


NOVAS EXPERIÊNCIAS. A paleta sugere um novo ideal de vida, onde o consumismo desenfreado cede lugar para novas experiências que nos levam a um contato mais estreito com a natureza. APELO NATURAL. Nuances mais pálidas se aliam a matérias-primas naturais e às estampas botânicas em busca de trazer um certo frescor natural aos ambientes.


Tons ardentes e cores vibrantes impõem uma personalidade marcante aos espaços.

NOVOS RUMOS. A prova de que transitamos entre o real e o virtual fica explícita na maneira com que sempre estamos buscando reinventar o novo, com o objetivo de ressaltar uma autoexpressão que defina fielmente a imagem que transmitimos. Essa fluidez da identidade é o mantra da geração voltada para uma energia que inspira tons ardentes e cores vibrantes, como as de um belíssimo quimono de uma gueixa.


NOVOS RUMOS. A prova de que transitamos entre o real e o virtual fica explícita na maneira com que sempre estamos buscando reinventar o novo, com o objetivo de ressaltar uma autoexpressão que defina fielmente a imagem que transmitimos. Essa fluidez da identidade é o mantra da geração voltada para uma energia que inspira tons ardentes e cores vibrantes, como as de um belíssimo quimono de uma gueixa.

IDENTIDADE FLUIDA. As cores ousadas da paleta transmitem uma energia contagiante, que reforça a importância do autoconhecimento. VIBE RETRÔ. Acabamentos brilhosos, plásticos, laminados, materiais sintéticos e o colorido da geometria que remete aos anos 1970 são equilibrados por preto, branco e cinza.


SEM FRONTEIRAS. A globalização tem encurtado as distâncias, redefinindo fronteiras, nacionalidades e trazendo à tona um senso de coexistência antes jamais vivenciado. Neste cenário, em que todos somos cidadãos do mundo, o design brasileiro se conecta com diversos povos e culturas para assumir uma identidade ainda mais plural, onde a consciência coletiva se pinta de todas as cores, a exemplo dos tons de água-doce, oceano azul e vermelho intenso que dialogam nesta paleta versátil, que pode transitar em qualquer lugar.

DESIGN PLURAL. Formas imperfeitas, acabamentos rústicos, móveis tatuados e cerâmicas feitas à mão refletem a preocupação do design centrado no humano. NOTAS ÉTNICAS. O colorido vibrante das estampas tribais e as texturas handmade expressam uma identidade  conectada a diversas culturas.

Compartilhe.

Deixe Uma Resposta